domingo, 25 de junho de 2017

Projeto Conjunto | Empréstimo Surpresa [Livro Recebido]


Na semana passada, chegou cá a casa mais um livro da Silvana, para dar continuidade ao nosso projeto conjunto que tanta satisfação nos dá.

Aqui está o livro recebido:


Surpreendeu-me imenso pois não estava nada à espera de receber dois livros seguidos da mesma autora. Já o comecei a ler e está a cativar-me bastante.

Obrigada Silvana!
Podem passar no blog dela para conhecerem as suas razões de me ter enviado este livro.

sábado, 24 de junho de 2017

Projeto Conjunto | Empréstimo Surpresa [Desafio]


Embora com algum atraso, aqui está o desafio que a Silvana me criou para o livro A Sombra de um Passado.

DESAFIO:

Quando o passado insiste em vir ter contigo

Clara e Hugo seguiram as suas vidas de forma separada. Cada um, pegando nos destroços das sombras do passado que se imiscuíram com o presente e construindo a sua própria felicidade.
Porém há coisas que nunca morrem. Aquelas que vivem e se enraízam dentro de nós podem suavizar, mas a sua marca permanece. E o Hugo será sempre uma dessas marcas.
Um dia, passados vinte anos, sem que nada o faça prever, Hugo e Clara cruzam-se.
Como terá sido esse encontro?

A MINHA RESPOSTA:

Era um dia quente de verão. Clara tinha ido correr na praia, ao final do dia. Era uma atividade que lhe agradava, ajudava-a a manter-se em forma e permitia-lhe espairecer depois de um dia inteiro de trabalho. Adorava sentir a areia macia e a água do mar a envolver-lhe os pés.
A dada altura, viu um grupo de pessoas. Estavam num pequeno círculo e isso despertou-lhe a atenção. Podia ser alguém ferido ou a sentir-se mal. Aproximou-se para tentar perceber o que se passava, pediu licença a algumas pessoas e rapidamente se viu frente a um jovem estendido no chão. Era um adolescente com cerca de 13 anos. Estava a ser socorrido pelo nadador salvador.
À sua direita, estavam outros jovens sensivelmente da sua idade e Clara perguntou a um deles o que se tinha sucedido.
– Ele sentiu-se mal quando estávamos a jogar à bola na água – explicou um deles. – Caiu para o lado assim de repente. Pensávamos que estivesse na brincadeira connosco, mas como nunca mais vinha à superfície, nadamos para o local onde ele estava. Agarramo-lo com sorte e pedimos ajuda.
Clara voltou a olhar para o rapaz na areia, preocupada. Ele já estava a vir a si e alguns amigos estavam ajoelhados junto dele, já a rir e a dizer-lhe para nunca mais fazer aquilo. Um deles mencionou que tinham chamado o seu pai, ao que ele exclamou:
– Oh, não, não era preciso chamarem o meu pai. – Parecia envergonhado. – Já me sinto melhor, foi só fraqueza.
Algumas pessoas começaram a afastar-se, agora que a situação tinha melhorado. O nadador salvador disse que iria esperar pelo pai do jovem e recomendar que fossem ao hospital verificar se estava tudo bem.
Clara viu um homem atravessar o areal a correr e, por momentos, sentiu-se como se a sua vida estivesse a recuar no tempo. Conhecia aquele corpo, aquela forma de correr. Hugo? Não podia ser. Fechou os olhos e voltou a abri-los. O homem tinha-se aproximado e atirava-se para o chão, tentando perceber o que se tinha passado. O rapaz explicou a situação e o nadador apresentou as suas recomendações. Levantaram-se e, nesse momento, os olhos dele fixaram-se nos dela. Meu Deus, era Hugo.
Ele ficou igualmente surpreendido por vê-la e um enorme sorriso apoderou-se dos seus lábios.
– Clara? És mesmo tu?
O rapaz ficou a olhar para ela. Não conhecia a mulher com quem o pai estava a falar.
– Hugo, que surpresa encontrar-te aqui. Não sabia que tinhas um filho.
Hugo fez-lhe sinal para começarem a caminhar. Queria dirigir-se ao carro para levar o filho ao hospital.
– Chama-se André, o meu rapaz em apuros. – Hugo levava a mão pousada no ombro do filho; era uma visão enternecedora. Virou-se para ele, dizendo: – Esta é a Clara, uma pessoa que conheci há muitos anos. – Voltou-se novamente para ela. – Então e tu, como estás? Continuas a trabalhar na farmácia?
– Sim, embora com um horário mais reduzido. Agora também dou formação vários dias por semana. – Clara observava Hugo. Estava mais velho, mas as feições que tão bem conhecera mantinham-se. – E tu, continuas a trabalhar na oficina?
– Sim, mas desta vez na minha própria oficina. Abri um negócio meu e está a correr muito bem.
– Fico muito contente por teres refeito a tua vida. Casaste?
– Há 15 anos. Tiramos uns dias de férias para virmos comemorar a data em família, mas aqui o jovem consegue sempre meter-se em sarilhos.
– Senti-me mal, pai. Não me meti em sarilhos voluntariamente – reclamou André.
– Eu sei – Hugo brincou com o filho, despenteando-lhe o cabelo. Voltou-se novamente para Clara. – E como está a tua filha?
– A Carolina é médica, em Lisboa. E tive mais duas filhas, a Glória e a Vitória, gémeas. Estão a estudar Belas-Artes.
Hugo assobiou, admirado com a prole de Clara.
– E o teu marido?
Clara baixou o olhar e Hugo notou-lhe a expressão triste. A sua voz também fraquejara quando falou:
– Perdi o Santiago há quatro anos. Cancro.
Hugo sentiu a devastação de Clara. Desejou abraçá-la e poder confortá-la.
– Lamento imenso que tenhas passado por essa situação – disse-lhe. Clara anuiu em sinal de agradecimento. Era sempre difícil recordar a perda do amor da sua vida.
À medida que se aproximavam do carro de Hugo, instalara-se uma calma entre ambos.
Hugo abriu o carro e o filho entrou. Aproximou-se de Clara para se despedir dela.
– Gostei de te ver, Clara – disse, em voz suave. Nunca me vou esquecer que foste tu que me ensinaste que não podemos obrigar alguém a amar-nos; quando é verdadeiro, o amor é a melhor coisa que temos na vida. Por isso, espero que ela ainda te traga alguma da felicidade que perdeste com a partida de Santiago.
– Obrigada, Hugo. Foram palavras amáveis. Sabes que também desejo a maior felicidade para ti – desejou Clara, sinceramente.
Tocaram levemente na mão um do outro e depois afastaram-se. Hugo entrou no carro e Clara caminhou na direção contrária. Não sabia se o voltaria a ver, mas sabia que Hugo era apenas uma marca do seu passado, uma memória que se suavizara com o tempo.

Gostei muito de responder a este desafio, Silvana, pois permitiu-me ser mais criativa. Venha o próximo livro!

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Palavras Sentidas


"Não lhe parece que não há nada pior do que esta impressão de deixar a vida passar-nos ao lado, por não termos tido coragem de a moldar à imagem dos nossos desejos? Por não nos termos mantido fiéis aos nossos valores profundos, à criança que fomos, aos sonhos que tivemos?"

A tua segunda vida começa quando percebes que não terás outra
Raphaëlle Giordano

terça-feira, 20 de junho de 2017

Top Ten Tuesday | Leituras para o Verão


O Verão inicia-se amanhã, por isso vou dedicar o tema desta semana à minha lista de leituras para o Verão.

Vamos ver os resultados das listas anteriores:
Primavera de 2016: 4/10 livros lidos
Verão de 2016: 5/10 livros lidos
Outono de 2016: 7/10 livros lidos
Inverno de 2017: 7/10 livros lidos

Da lista da Primavera consegui ler 5 dos 10 livros planeados, um resultado que voltou a desagradar-me. Voltei a perder-me com os livros emprestados e com as ofertas das editoras, e a minha lista acabou por ficar um pouco esquecida. Vamos ver se consigo melhorar agora no Verão.

Aqui fica então a lista de livros para ler neste Verão, que inclui alguns livros novos e outros que se mantêm da lista anterior.

1. Isto Acaba Aqui (Colleen Hoover)

2. Estrada Vermelha, Estrada de Sangue (Moira Young)

3. Se Eu Fosse Tua (Meredith Russo)


4. Só Nós Dois (Nicholas Sparks) 

5. A Substância do Mal (Luca D'Andrea)


6. Claraboia (José Saramago)

7. O Fator pH (Rita Boavida)

8. Nos Sapatos de Valéria (Elísabet Benavent)


9. O Espião Português (Nuno Nepomuceno)

10. O Escultor (Carina Rosa)

quarta-feira, 14 de junho de 2017

5º Aniversário do Blog


O mês de junho é o mês dos aniversários.

O dia 13 é o meu dia, e o 14 é o dia do blog!

É com muito orgulho que festejo os 5 anos deste cantinho literário. Tem sido ótimo partilhar convosco as minhas leituras, as novidades, as aquisições, e muitas outras coisas boas.

Foi também mais um ano especial de amizade com uma pessoa querida que este mundo virtual me deu a conhecer. Obrigada por tudo!

Agradeço ainda às editoras que me continuam a apoiar, oferecendo-me novidades e permitindo-me conhecer novos autores e novas histórias.

Um grande obrigado a todos vocês por continuarem desse lado; a vossa companhia é muito importante para mim.

Desejo-vos excelentes leituras!

Vamos festejar com um passatempo?

Palavras Sentidas


"Uma mãe tem ouvidos para as vozes de todos os seus filhos. Como um maestro que ouve cada instrumento, separado na sua orquestra, mesmo no meio de uma sinfonia."

O Lírio Vermelho
Nora Roberts

terça-feira, 13 de junho de 2017

"Danças na Floresta" de Juliet Marillier [Opinião]


Danças na Floresta é um romance inspirado no conto de fadas As Doze Princesas Bailarinas e foi a minha primeira experiência com as obras de Juliet Marillier.

Nunca tinha lido nada da autora, embora ouvisse falar muito bem dela, e confesso que me senti cativada desde as primeiras páginas. Soube-me bem fugir um pouco das leituras mais contemporâneas e dedicar-me a um livro de fantasia pura.

Adorei a forma como a autora construiu um mundo de magia repleto de personagens interessantes. Gostei muito das irmãs, principalmente da Jena. Pareceram-me personagens muito humanas e bastante maduras para a sua idade.

Esta é uma história de magia, de dança, de alegria e tristeza, medo e coragem, de amor e aventura. As personagens passam por momentos de sofrimento, cometem erros, vivem injustiças e imensas peripécias.
Adorei o sapo Gogu e enterneci-me com a amizade que Jena tinha por ele. Claro que rapidamente percebi que aquele sapo tão amoroso não era apenas um sapo, e achei bem interessante a forma como a autora deu uma interpretação diferente a esta parte da história.

Foi uma leitura cativante, com uma escrita fluida e repleta de magia, que recomendo aos apreciadores de contos de fadas. Irei certamente procurar ler outras obras da autora, nomeadamente a trilogia Sevenwaters, uma das mais referidas pelos fãs da autora.

Classificação: 4/5 estrelas

segunda-feira, 12 de junho de 2017

"Vemo-nos no Cosmos" de Jack Cheng [Divulgação]

Título Original: See You in the Cosmos
Autor: Jack Cheng
Edição: 2017
Editora: Nuvem de Letras
Páginas: 320
PVP: 16,90€

Já disponível nas livrarias.


«Se os extraterrestres alguma vez encontrassem este iPod dourado, ficariam convencidos de que os humanos são seres fantásticos.»
The New York Times



Sinopse:

Um rapaz de 11 anos, apaixonado pelo desconhecido, e o seu cão, Carl Sagan, embarcam numa viagem surpreendente e luminosa de autodescoberta. Um romance de amor, coragem e esperança para todas as idades.

Alex é um rapaz de onze anos obcecado com o Espaço. Admirador incondicional do grande cientista Carl Sagan, o seu sonho é seguir-lhe as pisadas e enviar para o espaço o seu iPod dourado com gravações de sons do planeta Terra. Para cumprir a sua missão de dar a Humanidade a conhecer a civilizações alienígenas, construiu um foguetão e apanhou, acompanhado do seu cão, Carl Sagan, um comboio rumo ao festival de lançamento de foguetões artesanais.

Numa viagem cujo destino insiste em mudar a cada paragem, o inocente e doce Alex irá aprender que nem tudo é o que parece, que a família se perde e se ganha ao longo do caminho e que a coragem, a verdade e o amor são as únicas bússolas de que realmente precisamos.

Um romance inspirador, otimista. e incrivelmente corajoso.
Amor à primeira página.

Sobre o autor:

JACK CHENG nasceu em Xangai, mas cedo se mudou para os Estados Unidos da América, para o Estado do Michigan, onde cresceu. Mais tarde, mudou-se para Brooklyn, onde viveu durante dez anos antes de se instalar em Detroit, cidade que atualmente o acolhe.

Vemo-nos no Cosmos é o seu primeiro romance juvenil.

domingo, 11 de junho de 2017

Postais pelo Mundo | Taiwan (2)

Hoje tenho um postal oficial para vos mostrar que chegou cá a casa esta semana.

É o segundo postal que recebo de Taiwan e mostra-nos uma ponte. A única coisa que sei é que o postal se trata de uma fotografia, mas não tem indicação do nome da ponte ou do local onde foi tirada.
 


quarta-feira, 7 de junho de 2017

Palavras Sentidas


"O amor nem sempre é bonito, Tate. Às vezes, passamos o tempo todo à espera de que se transforme numa coisa diferente. Numa coisa melhor. Até que, quando nos damos conta, voltámos ao ponto de partida, e perdemos o coração, algures no meio do caminho."

Amor Cruel
Colleen Hoover

terça-feira, 6 de junho de 2017

"O Regresso de Sherlock Holmes III" de Sir Arthur Conan Doyle [Opinião]


Esta foi a primeira experiência que tive com as obras de Sir Arthur Conan Doyle. É o terceiro volume que inclui contos de O Regresso de Sherlock Holmes. Geralmente gosto de ler as séries ou os volumes por ordem, mas acabei por começar por este porque me foi oferecido.

Este pequeno livro inclui três contos:

Charles Augustus Milverton - Um conto sobre o maior canalha de Londres, que se dedica a intercetar cartas privadas e a usá-las para chantagear os seus intervenientes.

O Atleta Desaparecido - O melhor jogador de râguebi do país desaparece sem deixar rasto, na véspera de um importante jogo, e Sherlock Holmes é chamado para investigar o seu desaparecimento.

A Granja da Abadia - Um assalto numa casa resulta na morte do marido e em ferimentos na mulher; Sherlok é chamado ao local e rapidamente percebe que a solução não é tão óbvia como parecia.

Penso que gostei dos três contos de igual forma, embora tenha achado que o primeiro se resolveu muito depressa e de forma um pouco insatisfatória.
Costumo ver a série Sherlock portanto já estou familiarizada com a personalidade peculiar de Sherlock e com os seus métodos de investigação.

Vou procurar mais livros desta coleção quando a feira do livro chegar à minha cidade; costuma ser fácil encontrá-los nos alfarrabistas.
Fiquei curiosa em ler mais trabalhos do autor!

Classificação: 3/5 estrelas

Top Ten Tuesday | Livros de mistério/thrillers adicionados recentemente à lista To-Be-Read


O tema desta semana convida-nos a indicar dez livros de um género à nossa escolha que adicionamos recentemente à lista to-be-read. Escolhi o género policial/mistério/thriller, pois são livros que me dão grande prazer ler.

Assim, uma vez mais, apenas precisei de consultar o Goodreads e verificar que livros desse género acrescentei ultimamente à minha lista.

Aqui estão eles, começando pelo mais recente. Já leram algum?

1. A Química da Morte - Simon Beckett
2. A Substância do Mal - Luca D'Andrea
3. O Amigo Andaluz - Alexander Söderberg
4. O Homem Ausente - Hjorth & Rosenfeldt
5. O Sócio - John Grisham
6. O Escultor - Carina Rosa
7. Messias - Boris Starling
8. A Última Vez Que a Viram - Harlan Coben
9. O Espião Português - Nuno Nepomuceno
10. Sinto a Tua Falta - Harlan Coben


sábado, 3 de junho de 2017

Projeto Conjunto | Empréstimo Surpresa [Os motivos]


Nestes últimos dias, a Silvana recebeu um novo livro enviado por mim, de forma a dar continuidade ao nosso projeto conjunto.

Este foi o livro que escolhi:


Motivos da minha escolha:

  • A Silvana já tinha manifestado vontade de ler este livro quando eu o recebi. Assim que terminei a leitura, quis logo que este fosse um dos próximos a enviar-lhe.
  • É uma leitura densa mas, sendo um romance histórico, sei que lhe vai encher as medidas.
  • Outra das razões foi o facto de eu ter criado um desafio do qual gosto particularmente e estou ansiosa por ver como irá a Silvana responder-lhe.

Espero sinceramente que seja uma leitura prazerosa!

"A Mãe Eterna" de Betty Milan [Opinião]


Agradeço desde já à editora Objectiva (Penguin Random House Grupo Editorial) por me ter dado a oportunidade de ler uma autora que não conhecia.

A Mãe Eterna é um pequeno livro que permite grandes momentos de reflexão.
Está escrito em forma de diário, onde a filha vai relatando as peripécias do dia-a-dia com a sua mãe,  ao mesmo tempo que desabafa por se encontrar no papel de mãe da sua mãe.

É um livro extremamente atual, dado que cada vez mais as pessoas vivem mais tempo, e muitas vezes com pouca qualidade de vida, acabando por ficar dependentes dos filhos e de outros cuidadores.
É um relato impressionante o desta filha que sente a falta da mãe que fazia o papel de mãe e que agora não pode ser deixada sozinha por não ser capaz de cuidar de si própria.

É um livro que angustia e nos deixa a pensar na ordem natural da vida: um dia seremos nós a ter de cuidar dos nossos pais.

São também abordados temas como a relação mãe-filha, mãe e irmãos, bem como a morte e a forma como a medicina tenta prolongar ao máximo a vida dos idosos quando eles, na opinião desta narradora, já morreram uma vez.

Uma leitura interessante e comovente, que recomendo a quem desejar ler algo que nos deixe a pensar e a refletir.

Classificação: 3/5 estrelas

Nota: Este livro foi-me oferecido pela editora em troca de uma opinião honesta.

sexta-feira, 2 de junho de 2017

Antologia Romântica [Divulgação]

Hoje venho dar-vos a conhecer uma iniciativa da Editora Virar a Página: a organização de uma Antologia Romântica.

Este concurso aceita textos inéditos em Língua Portuguesa, que se insiram no género do romance contemporâneo.

Podem ler o Regulamento completo da Antologia no facebook da Editora.

(imagem retirada do facebook da Editora Virar a Página)